ITAITUBA/PA - POR QUE A UPA NÃO É INAUGURADA?

Imagem: Blog
Desde o início da construção da  Unidade de Pronto Atendimento-UPA no primeiro governo de Valmir Climaco (de 2010 a 2012) pergunta-se o porquê da não inauguração dessa tão importante obra, que passou incólume pelo governo de Eliene Nunes (2013 a 2016), principalmente neste momento de pandemia pelo coronavírus, que já deixou uma pessoa infectada, mesmo que tenha sido contaminada na Europa.

Diante desse grande mistério, que vem sendo perguntado nas redes sociais, o blog procurou saber o que realmente está por trás dessa obra, que nunca é inaugurada.

Sempre se falou do dinheiro da emenda do ex-deputado federal Francisco Chapadinha, na época do governo de Eliene Nunes, que daria para comprar todos os equipamentos para o pleno funcionamento da UPA; nesse período, a UPA ficou totalmente abandonada; a ex-prefeita tirou o servidor que vigiava o prédio e, em razão disso, foi depredado, com vários objetos da construção roubados (vaso sanitários, portas, caixilhos, maçanetas...).

Mas o que aconteceu com a tão falada emenda do ex-deputado Chapdinha? Em primeiro lugar, deve-se saber que, por questiúnculas políticas, o dinheiro da emenda, por Eliene não ser aliada de Chapadinha, mas de Joaquim Passarinho, ficou sob a responsabilidade do governo do estado, e não na conta da Prefeitura de Itaituba, que era o certo e o lógico, pois havia interesse do município em resolver essa pendente questão da inauguração, mas quem estava com o dinheiro era o Estado. E somente quem perdeu, e ainda perde, é o município de Itaituba.

Pois bem, de posse desse valor de pouco mais de R$370 mil, o Estado paraense fez duas licitações para a compra dos equipamentos da UPA; a primeira licitação foi deserta, quando não aparecem interessados no pregão e a segunda licitação, foi fracassada, quando há empresas no pregão, mas não se interessam em dar lances, pois os preços dos equipamentos determinados pelo Estado eram muito abaixo do praticado na praça. Diante dessas duas licitações sem resultado, e sem cobrança do governo municipal e da Câmara de Vereadores à época, o dinheiro da emenda ficou na conta do governo estadual que, por falta de uso, voltou para o governo federal.

Mas há luz no fim do túnel, pois em razão da pandemia, o presidente Bolsonaro sinalizou que os recursos de emendas da saúde não utilizados podem voltar; o atual governo municipal comprou alguns equipamentos para a UPA com dinheiro das emendas do Deputado Joaquim Passarinho, no valor aproximado de R$414 mil e da bancada paraense, no importe de R$154.200, que estavam disponíveis na conta da prefeitura, mas com esses equipamentos ainda não tem como colocar para funcionar a UPA. Entretanto, diante do longo tempo em que se ficou com a obra parada, houve significativo aumento no preço dos equipamentos médicos e, fora esses valores disponíveis, para se equipar totalmente a UPA, necessita-se de quase R$1 milhão, fora os valores das duas emendas acima.

Diante desse cenário acima apontado, em conversas com o prefeito Valmir Climaco e indagando ao gestor o porquê da não inauguração da UPA até hoje, o prefeito falou que, infelizmente, a PMI não tem como inaugurar a UPA, pois não tem os recursos necessários para comprar os equipamentos para colocá-la em pleno funcionamento; afirmou que vem fazendo constantes e insistentes cobranças, tanto ao governo do Estado quanto ao governo Federal, de quem é a obra, para uma rápida solução, principalmente nesse momento de pandemia e, também, pelas constantes cobranças, com toda a razão, da população nas redes sociais acerca da demora nessa inauguração. A cobrança ao Estado é quanto ao valor da emenda de Chapadinha. Porém, como salientou o Prefeito, o que pode fazer é somente essas cobranças pois, quanto a outras questões da saúde inerentes ao município, vem fazendo sua parte.

Outro ponto bem sensível para a inauguração da UPA, é a folha de pagamento do pessoal que irá trabalhar na Unidade, que terá um custo aproximado de R$600 mil ao mês e, obrigatoriamente, deverá contar com cinco médicos, sendo três trabalhando pelo período do dia e, os dois restantes, no período noturno; o pagamento dessa folha será de inteira responsabilidade do município, que já arca com toda a responsabilidade do SAMU que, até hoje, nunca recebeu nenhuma contrapartida do governo federal.

Assim, para a inauguração da UPA, espera-se a boa vontade dos governos estadual e federal. O prefeito está fazendo sua parte; agora, é cobrar de nossos deputados estaduais e federais que intercedam junto aos dois governos para que a UPA seja o mais rápido possível inaugurada; os vereadores também podem intervir, fazendo cobranças ao governo estadual e reforçando os pedidos de Valmir. Mas pelo andar da carruagem, tem vereador que sabe apenas criticar e se perguntar o porquê da não inauguração. Procurar os motivos, não sabe.

Enquanto não se inaugura, o prefeito Valmir Climaco disponibilizou um vigilante para evitar depredação do patrimônio público.

Com informações técnicas da SEMSA

Postar um comentário

2 Comentários

raimundo disse…
porque nao se inaugura o hospital regional?
NSussuarana disse…
Boa Noite
Raimundo, salvo engano em 2016, a ALEPA autorizou o governo Jatene a fazer um empréstimo para a conclusão do HRI, empréstimo esse aprovado por todos os deputados. Então, é uma questão sem sentido a não inauguração do HR até hoje. Mas prometo que irei fazer uma matéria acerca desse tema. Muito obrigado pela visita ao blog.