FAKE NEWS - BOLSONARO QUER INTERVENÇÃO NO BANCO DO BRASIL PARA VOLTAR A FINANCIAR SITE CONDENADO

Segundo Wajngarten, jornal condenado na Justiça 'faz um trabalho seríssimo'

Fabio Wajngarten, secretário de Comunicação da Presidência Foto: Jorge William / Agência O Globo

Fabio Wajngarten, o secretário de Comunicação do Planalto, sugeriu no Twitter que o governo está revendo a decisão do Banco do Brasil de parar de anunciar em um site condenado na Justiça pela difusão de fake news, o Jornal da Cidade Online.

O financiamento do BB ao site de fake news foi apontado pela versão brasileira do Sleeping Giants, movimento criado nos Estados Unidos para minar a sustentação econômica de sites e canais ligados à extrema direita.

Este 'jornal' tem a má fama de ser um grande propagar de fake news, como relatado 

Respondendo a um militante olavista, escreveu Wajngarten:

"Estamos cientes da importância do jornalismo independente (referindo-se ao site condenado na Justiça). Nem toda a comunicação do que é público depende de nós, mas já estamos contornando a situação. Agradecemos pelo retorno e pode contar com o governo na defesa da liberdade de expressão. Os jornais independentes são muito importantes e devem ser valorizados no exercício da liberdade de expressão.

O Jornal da Cidade Online foi condenado na Justiça a pagar R$ 150 mil de indenização a Felipe Santa Cruz por publicar fake news com o objetivo de atingir a reputação do presidente da OAB.

Wajngarten respaldou o trabalho do site condenado por propagar informação falsa:

"O Jornal da Cidade Online faz um trabalho seríssimo. As máscaras estão caindo. A censura ideológica usa vários disfarces, e os mais comuns hoje são as agências de checagem e o jornalismo dito progressista", afirmou. (Revista Época)






JORNAL É CONTUMAZ NA PRÁTICA DE FAKE NEWS

Cerca de uma semana depois de Aos Fatos publicar reportagem que apontava indícios de que o site bolsonarista Jornal da Cidade Online publicava textos com assinaturas de repórteres que utilizavam identidades falsas, os jornalistas Otto Dantas e Amanda Acosta tiveram suas imagens de perfil deletadas e pararam de publicar textos no portal.

Os perfis de Dantas e Acosta também foram excluídos do Facebook, onde costumavam republicar textos do site. Otto ainda mantém conta no Twitter, onde nunca houve grande movimentação: a última postagem é de 13 de dezembro de 2018.


Comparação entre as fotos de perfil no dia 2 de julho, antes da publicação da
reportagem do Aos Fatos, e no dia 11 de julho.

Em reportagem publicada no dia 4 de julho, Aos Fatos mostrou que o Jornal da Cidade Online, notabilizado pela difusão de conteúdo enganoso em favor de Jair Bolsonaro nas últimas eleições, usava os perfis de Dantas e Acosta em publicações que traziam ataques e desinformação a respeito de políticos, desembargadores e até ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Os dois, no entanto, apresentam diversos indícios de serem apócrifos — usam imagens alteradas digitalmente e, nos processos em que foram incluídos como réus, nunca foram encontrados pela Justiça para a entrega de notificações.

Além dos dois repórteres, Lívia Martins, outra articulista do site, também teve sua imagem de perfil antiga (ver abaixo) tirada do ar na última semana. Da mesma maneira que Dantas e Acosta, ela possui um e-mail oficial do Jornal da Cidade Online, e sua foto parecia ser editada.


Conforme apontado por dois leitores, a foto utilizada por Lívia Martins é da blogueira de moda Mariana Simionato (ver comparação abaixo). A imagem foi invertida horizontalmente e, por isso, não estava sendo encontrada em buscas reversas.


A comparação, no entanto, mostra marcas presentes nas duas fotos. Além do brinco preto ser o mesmo (seta vermelha), há semelhanças físicas entre as duas fotos: as covinhas na boca (seta azul), a pequena marca no queixo (seta amarela) e a posição do cabelo, incluindo os fios sobre o olho esquerdo (seta verde). Além disso, o fundo, mesmo que cortado na foto de Martins, é idêntico.

Nenhum dos três repórteres assinaram novos artigos após a publicação da reportagem do Aos Fatos, no dia 4 de julho.

O último conteúdo, publicado por Otto Dantas no dia 3, falava sobre um vídeo em que Jair Bolsonaro, à época deputado federal, afirma que Glauber Rocha (PSOL-RJ) é um “mentiroso costumaz”. O texto foi publicado um dia após Braga chamar o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, de “ladrão” em uma audiência na Câmara dos Deputados.

O Jornal da Cidade Online não enviou ao Aos Fatos nenhum tipo de explicação após a publicação da reportagem. Também não foi encontrado, nem no site, nem nas redes sociais, algum tipo de aviso aos leitores sobre as mudanças editoriais relacionadas a Dantas, Acosta e Martins.

Aos Fatos voltou a entrar em contato com o editor do Jornal da Cidade Online, José Tolentino, via e-mail e WhatsApp para questionar por que as fotos dos três repórteres foram deletadas do site e por que não houve nenhum tipo de aviso aos leitores. A mensagem foi visualizada por Tolentino às 18h11 da última quinta-feira (11), mas, até a publicação desta reportagem, nesta segunda-feira (15), não houve retorno.

Postar um comentário

0 Comentários